Estúdio Musical

Venha descobrir o encanto através da Música...































quarta-feira, 26 de fevereiro de 2020



Música na Calçada - Dia 04 de março, das 12h30 às 13h30 com saxofone e Beat Box.
Não fique de fora, participe você também!

🎼 Você merece estudar no Estúdio Musical!
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644

#estúdiomusical #canto #vocal #aprendamúsica #Higienópolis #música


Liberte sua alma, e faça música!

🎼 Você merece estudar no Estúdio Musical!
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644

#estúdiomusical #canto #vocal #aprendamúsica #Higienópolis #música


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020




Tocar numa banda desenvolve entre outras coisas o espírito de cooperação, a socialização e a percepção musical na atuação prática. Além de ser muito bacana! Venha vivenciar essa alegria!

Toda 2º feira as 19h, sob coordenação do professor André Senna.

Inscreva-se e faça parte desta alegria!

Aguardamos por você!

Um grande abraço,
Equipe Estúdio Musical
Inquietos por fazer hoje melhor do que ontem

*vagas limitadas!
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644

#estúdiomusical #amizade #aprendamúsica #Higienópolis #música #amigos

terça-feira, 18 de fevereiro de 2020


Para cantar bem, é fundamental saber respirar direito; é a respiração que permite sustentar notas poderosas e longas, além de proteger a voz. Para respirar corretamente, é necessário trabalhar a postura e usar algumas técnicas específicas, que tirarão a pressão das cordas vocais e preservarão a voz.

1• Respire pelo diafragma. Respirar pelo diafragma (usando o abdômen) é importante para evitar o excesso de ar nas cordas vocais, o que as força além do necessário.

2• Tente inspirar pelo nariz e pela boca ao mesmo tempo. Inspirar somente pelo nariz não fornecerá todo o ar de que você precisa para cantar, enquanto respirar exclusivamente pela boca ressecará as cordas vocais, afetando a qualidade do som.

3• Controle a expiração. Bem como inspirar, expirar tem um papel fundamental no canto e saber controlar isso é o que permite manter notas estáveis e longas. Inspire profundamente pelo diafragma e solte o ar sibilando um “S” longo, por aproximadamente 10 segundos.

Aprenda essa técnica entre outras em nosso curso.

🎼 Você merece estudar no Estúdio Musical!
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644

#estúdiomusical #canto #vocal #aprendamúsica #Higienópolis #música





SEMANA DO AMIGO VIRTUAL NO ESTÚDIO MUSICAL! 🤳🏼👥 ➡ De 10 a 14 de Fevereiro.

Nós preparamos um lindo brinde para você em comemoração ao dia do amigo virtual, para ganhar é fácil, confira as regras: ✅ Curta o banner oficial (esse); ✅ Marque 5 amigos na publicação; ✅ Compartilhe para todo mundo ficar sabendo; ✅ Pronto, você ganhou!

É rápido, fácil e divertido! Participe

Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644

#estúdiomusical #amizade #aprendamúsica #Higienópolis #música #amigos


Como já dizia o grande Milton Nascimento: "Amigo é coisa pra se guardar debaixo de sete chaves dentro do coração".

Indique os seus amigos e marque eles nos comentários para que eles vejam essa declaração de amizade sincera 💙

🎼 Você merece estudar no Estúdio Musical!
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644


quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020


Você sabia que apenas 20% das crianças aprendem música e 70% dos adultos se lamentam em não ter aprendido?
Aprender um instrumento é importante para construção do conhecimento, e favorece o desenvolvimento da sensibilidade, criatividade, senso rítmico, imaginação, memória, concentração, etc.

🎼 Você merece estudar no Estúdio Musical!
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644



Estamos te esperando também nessa época de festa! aprenda um instrumento novo e faça bonito na sua escola de samba!
Aqui temos violão, cavaquinho, ukulele e muito mais...

🎼 Você merece estudar no Estúdio Musical!
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀
Fale conosco:⠀
📞 (11) 3667-1600⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644


quinta-feira, 30 de janeiro de 2020

Como utilizar a musicoterapia no tratamento da depressão?




Usar a terapia com música é usar um artifício para manusear o cérebro sem tocá-lo. Seja música clássica, funk, rock, axé ou até mesmo música de ninar, não importa o gênero, quando a melodia entra pelos ouvidos é um turbilhão de estímulos que se propaga pelos neurônios cerebrais desencadeando reações e emoções, não sendo necessário estudos profundos para perceber os efeitos.

Musicoterapia na depressão

Em alta, manejar o tratamento de depressão requer todo tipo de ajuda, e a musicoterapia se encaixa perfeitamente no arsenal de estratégias na assistência ao paciente triste.
Mas não é simplesmente prescrever que escute a música preferida no rádio de casa que já não existe mais depressão. Se assim fosse, cantores não sofreriam. A terapia vai mais além dos padrões de compreensão consciente da pessoa em tratamento. Não é simplesmente ouvir uma playlist de sucesso, é necessário que as ondas sonoras sejam codificadas, decifradas e armazenadas pelo cérebro.
Portanto, devem ter padrões de frequências sonoras estudadas, harmonizadas e escolhidas para produzirem o efeito necessário em cada caso. Claro, sons e músicas aleatórias também conseguem fazer o efeito, principalmente os da natureza, mas é bem melhor direcionar o tratamento com a técnica terapêutica para um efeito final mais contundente.

 Precisamos dar atenção também aos cuidadores

Justamente, sem buscas prévias poucos saberão que os hertz, a energia do som, ao entrarem pelos ouvidos e atingirem os nervos auditivos desencadeiam sinapses na região do sistema límbico, área a qual é responsável pelas emoções, induzindo a liberação de endorfinas, hormônios que produzem sensações de prazer, satisfação e felicidade, o que efetivamente se encontra ausente ou diminuído dentro de um quadro depressivo.
Na terapia, esses Hertz acabam sendo reproduzidos após definição de intensidade com a interação profissional-paciente onde há percepção por ambos dos estados emocionais, servindo como pontes de comunicação pelas melodias, decifrando muitas vezes sentimentos que estão internalizados e com dificuldades de serem verbalizados, possibilitando assim resultados positivos surpreendentes.
Enfim, dentre várias alternativas de tratamento da depressão, vale a pena também usar a que está entre a escala de Sol e as escaladas por sorrisos. Ao lidar com depressões e tristezas, não tenha medo ou DÓ, não RElute, MIre adiante, FAça o SOL brilhar LÁ nos olhos amargurados, e SInta a vibração da vida!

https://pebmed.com.br/como-utilizar-a-musicoterapia-no-tratamento-da-depressao/?login=modal

quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

Você sabia que no século XX o violão se tornou o instrumento musical mais popular em diversos lugares do mundo, como no Brasil? E com isso, contribuiu muito com a evolução da música moderna?⠀
Aprenda a tocar este instrumento incrível com o Estúdio Musical!!!⠀
🎼 Você merece estudar no Estúdio Musical!⠀
⠀⠀
Venha conhecer e faça uma aula experimental gratuita e sem compromisso!⠀
Rua Conselheiro Brotero, 996 - Higienópolis.⠀⠀
Fale conosco:⠀⠀
📞 (11) 3667-1600⠀⠀
📱WhatsApp: (11) 99442 1644⠀
#estúdiomusical #vocêsabia? #violão #Higienópolis #música #curiosidades



segunda-feira, 27 de janeiro de 2020

PARABÉNS!!! 
MOZART, O GÊNIO QUE COMPÔS A PRIMEIRA OBRA AOS SEIS ANOS


O compositor tocava e compunha de modo divino, mas, intimamente, era frágil como uma criança
Johannes Chrysostomos Wolfgangus Theophilus Mozart era um menino predestinado até no nome. Theophilus vem do grego e quer dizer “amado por Deus”. Mais tarde, esse sobrenome recebeu a versão latina pela qual ficaria eternizado: Amadeus.
O pai de Mozart, Leopold, agradecia aos céus por ter tido um filho tão criativo, dizendo que ele era um “milagre que Deus fez nascer”. No século seguinte, depois que o gênio já tinha revolucionado a música, o grande compositor russo Pyotr Ilyich Tchaikovsky voltou a reconhecer um ar de divindade em Mozart: “Ele nos faz acreditar em Deus. Não deve ser por acaso que um fenômeno dessa natureza vem a este mundo”.
Não é mesmo comum um jovem de 5 anos saber tocar maravilhosamente o piano. Ou um adolescente ser capaz de rabiscar partituras orquestrais completas — e perfeitas — enquanto beberica durante uma festa. Pois bem. O fenômeno operador de milagres em questão era humano, demasiadamente humano.
“Definir Mozart é impossível, mas é justo dizer que sua música é a coleção de trabalhos mais gloriosa já criada por um homem”, afirma o maestro e musicólogo americano David Palmer. “Ele alcança a perfeição em todas as formas musicais. Suas óperas foram as primeiras de uma série de trabalhos dramáticos.
Suas sinfonias foram agraciadas como a mais fina emoção. Todos os grandes compositores foram criados sobre as bases deixadas por ele.” Apesar de ter um talento inato, ele não chegou ao estrelato por uma dádiva celestial, e sim com altas doses de trabalho e estudo.
Leopold Mozart era filho de um encadernador da cidade alemã de Augsburgo. Trabalhava como um dos violinistas do príncipe arcebispo de Salzburgo, na Áustria. Quando tinha 28 anos, casou-se com Anna Maria Pertl, de uma família de músicos. Ela deu à luz sete crianças, mas apenas duas sobreviveram: a menina Maria Anna (apelidada de Nannerl), nascida em 1751, e Wolfgang, como era conhecido o último dos filhos do casal, nascido em Salzburgo em 27 de janeiro de 1756.
Quando Nannerl fez 6 anos, seu pai começou a lhe ensinar piano. Certo dia, depois de muito tempo ouvindo-a praticar, seu irmãozinho subiu na banqueta e começou a tocar alguns acordes. Tinha 3 anos.
Quando completou 4, Leopold achou que o pequeno já estava maduro o suficiente e começou a lhe dar aulas de música. Em 1761, o menino rabiscou sua primeira composição, o Minueto em Sol, com 16 compassos. Mais um ano se passou e o pai resolveu mostrar seus filhos à Europa.


Leopold pegou as crianças e partiu em uma excursão. Na corte de Viena, o pequeno Wolfgang impressionou os nobres com seus truques, como tocar com o teclado coberto. Um episódio famoso aconteceu quando ele se apresentou pela primeira vez à família imperial da Áustria.
“Wolfgang escorregou num assoalho encerado e a arquiduquesa Maria Antonieta, mais tarde rainha da França, ajudou-o a se levantar. Como agradecimento, ele a pediu em casamento, arrancando risos de todos. Em seguida, Wolfgang pulou no colo da imperatriz, passou os braços em volta de seu pescoço e beijou-a afetuosamente”, escreveu Leopold em uma carta à esposa.
Com o sucesso da primeira excursão, o pai pediu licença do emprego e não parou mais de viajar com os filhos. Wolfgang tinha uma agenda lotada, com concertos e apresentações particulares.
Entre um intervalo e outro, entretanto, chorava, pedia para brincar e dizia que sentia falta da mãe. Se as turnês com o pai tornaram Wolfgang célebre desde cedo, ele nunca conseguiria se livrar do trauma de não ter tido infância — carregaria o pior da imaturidade pelo resto da vida.
Quando voltaram a Salzburgo, em 1766, Wolfgang havia passado três e meio dos seus 10 anos como músico itinerante, sem um lar fixo, muito menos amigos de sua idade. Leopold ensinava ao filho não apenas a música, mas também leitura, matemática e línguas, especialmente o francês, inglês e italiano.
“Ele tinha vontade de aprender tudo em que punha os olhos”, escreveu a irmã Nannerl em suas memórias. “Demonstrava muita habilidade para desenhar e somar, mas, como estava ocupado demais com a música, não podia exibir seus talentos em qualquer outra direção.”
O menino, agora já adolescente, surpreendia cada vez mais. Ao chegar a Roma, aos 14 anos, foi à Capela Sistina para ouvir o famoso Miserere, de Gregório Allegri. A igreja proibia a execução da peça fora de seus domínios, tornando-a ainda mais sagrada.
Mas o incrível Wolfgang ouviu tudo atentamente, voltou ao seu quarto e transcreveu o concerto inteiro de memória (“Agora ele é nosso”, teria dito ao pai). Seu sucesso era tamanho que chegou a receber, na Itália, das mãos do papa Clemente XIV, a Ordem de Cavaleiro da Espora Dourada, uma altíssima honraria para um músico.
Toda essa badalação pela Europa teve um fim quando pai e filho precisaram se fixar em Salzburgo, em 1771. O chefe de Leopold, que lhe concedera uma licença remunerada de anos e anos, havia falecido. Seu sucessor foi o arcebispo Hyeronimus Colloredo, que não permitiu mais nenhuma folga.
Com isso, o gênio adolescente passou a trabalhar para Colloredo, a contragosto, produzindo músicas de igreja. Mesmo insatisfeito, Wolfgang produziu belíssimas obras nesse período, incluindo um quinteto de cordas, seu primeiro concerto para piano e a Sinfonia em Sol Menor.
Mas ele tinha visto muito do mundo para querer se estabelecer em Salzburgo. Aos 21 anos de idade, partiu em viagem: foi com sua mãe rumo a Paris, fazendo apresentações pelo caminho.



Por carta, durante a viagem do filho, Leopold exigia que ele fosse sempre em busca de dinheiro. Mas Wolfgang demonstrava imaturidade e dispersão. Veja como descreveu ao pai a nobreza austríaca durante um de seus concertos:
“Chegou a duquesa Tapa no Traseiro, a condessa Mijona, sem falar na princesa Monte de Esterco com suas duas filhas, as quais, porém, já são casadas com dois príncipes Pança von Rabo de Porco. Beijo a mão de papai cem mil vezes e abraço a besta da minha irmã com uma ternura de urso”. A falta de senso prático de seu filho deixava Leopold profundamente irritado.
Numa parada em Mannheim, na Alemanha, surgiu uma paixão arrebatadora na vida do jovem. Era Aloysia Weber, uma soprano muito atraente e talentosa de 16 anos, filha de um cantor fracassado (a mãe sustentava a família alugando quartos).
Quando ficou sabendo das intenções de Wolfgang, Leopold ordenou que ele seguisse logo para Paris — o que o filho fez prontamente. Na verdade, Aloysia também não estava lá tão interessada no compositor, que era pequeno, muito magro e pálido.
Chegando à capital francesa, a mãe de Wolfgang, que vinha doente durante a viagem, faleceu. Nesse período, no final dos anos 1770, ele compõe sonatas atormentadas e resolve, então, voltar para a Alemanha à procura da amada.

Bodas de Mozart

Como Aloysia se mantinha alheia às suas investidas, o compositor acabou se interessando por Constanze, a irmã mais nova da moça. E, contrariando o pai pela primeira vez, casou-se com ela em 1782, aos 26 anos. Justificando-se diante de Leopold, Wolfgang escreveu sobre a esposa:
“Não possui inteligência, mas tem bom senso suficiente para lhe permitir cumprir seus deveres de esposa e mãe”. A partir daí, o compositor parece ter cortado o cordão que o amarrava ao pai. Mudou-se com a mulher para Viena e dedicou-se só à música. Nada de viagens prolongadas: apenas trabalhava, regendo e compondo sem parar.
Entre 1782 e 1786, escreveu 15 concertos para piano — dez deles são considerados obras-primas. Nessa mesma época conheceu o músico austríaco Franz Joseph Haydn, 24 anos mais velho, que veio a ser seu grande amigo e substituir, em parte, a falta da figura paterna em sua vida.
“Wolfgang era, exceto por sua música, quase sempre uma criança, e assim permaneceu”, escreveu a irmã Nannerl. “Esta é uma característica do seu lado não conhecido. Ele sempre precisou dos cuidados de um pai, mãe ou guardião: era incapaz de administrar questões financeiras.”
Ao lado de Haydn e da mulher Constanze, outro amigo lhe dava o suporte para a vida prática: o italiano Lorenzo Da Ponte. Com ele, em 1786, compôs As Bodas de Fígaro, uma das maiores comédias líricas de todos os tempos. Lançada primeiramente em Viena, a ópera não causou tanto impacto.
A cidade que realmente se entusiasmou foi Praga, para onde Mozart viajou e regeu a orquestra pessoalmente. Logo o compositor recebeu uma proposta do diretor do teatro local para escrever uma nova ópera para a temporada seguinte. Assim surgiram Don Giovanni, de 1787, e Cosi Fan Tutte, em 1790 — todas em parceria com Da Ponte.




Mozart se firmava como o mais incrível gênio musical que o mundo havia conhecido. Foi o precursor da sinfonia — que, com o alemão Ludwig van Beethoven, se tornaria a forma maior de expressão musical da emergente burguesia. Mas o gênio continuava como uma criança perdida num mundo de adultos.
“Gostava muito de ponche, bebida que o vi tomar goles copiosos. Gostava também de bilhar e muitas partidas joguei com ele, mas sempre terminava perdendo”, escreveu o tenor irlandês Michael Kelly, que participou da primeira montagem de As Bodas de Fígaro.
Vivia de encomendas de músicas e de dar aulas de piano, mas gastava muito jogando e dando festas. Pedia dinheiro emprestado descomedidamente, enquanto Constanze procurava orientá-lo a economizar o pouco que sobrava. Tiveram sete filhos, dos quais apenas dois sobreviveram — como aconteceu com os pais do próprio Mozart.
Quem salvou o compositor da miséria por diversas vezes foi a maçonaria, organização de que fazia parte e homenageava em suas obras — a ópera A Flauta Mágica, de 1791, por exemplo, foi composta usando símbolos maçônicos. Quando seu pai morreu, em 1787, Mozart ficou muito abatido, mas se negou a comparecer ao enterro.
Dizia estar muito atarefado. E estava mesmo no auge de sua produção. Chegou a compor a ópera A Clemência de Tito em 18 dias e aceitou uma encomenda de uma grande missa de réquiem. Mas não teria tempo de terminá-la.
Aos 35 anos, começava a se sentir velho, cansado e com uma certa mania de perseguição. Contou a Constanze que alguém o havia envenenado e que estava compondo o Réquiem para ele mesmo. Esse episódio serviu de argumento para a crença de que ele teria sido envenenado pelo músico italiano Antonio Salieri, retratado como seu inimigo no filme Amadeus.
Mas não houve assassinato nenhum. Em 20 de novembro de 1791, Mozart caiu de cama com febre, náuseas e dores nos braços e pernas. O diagnóstico era febre reumática. Durante semanas, ele permaneceu moribundo, sofrendo de terríveis dores. Pediu a dois alunos que terminassem o Réquiem — para garantir que Constanze recebesse os honorários.
Na manhã de 5 de dezembro de 1791, aos 35 anos, morria o garoto-prodígio, deixando nada menos que 675 obras. Seu cadáver, nu, foi colocado num saco de linho e baixado numa sepultura sem lápide, no cemitério São Marcos, em Viena.
“Seu último movimento”, escreveu Sophie, irmã de Constanze, “foi uma tentativa de expressar com a boca os tambores de Réquiem. Ainda posso ouvi-lo”. Mais de duzentos anos depois, seus tambores ainda não silenciaram.

https://aventurasnahistoria.uol.com.br/noticias/reportagem/fenomeno-mozart-musica-classica-austria-historia.phtml





Presente pra você!
O Estúdio Musical em parceria com o Theatro Municipal de São Paulo convida seus alunos, familiares e amigos para o espetáculo OER Toca Camargo Guarnieri , no domingo, dia 09/02/2020 às 12h. ( Depois desse horário não será mais permitida a entrada)
Informações sobre o concerto: https://theatromunicipal.org.br/pt-br/evento/orquestra-experimental-de-repertorio-toca-camargo-guarnieri/  Entre em contato conosco até SEXTA-FEIRA e confirme a sua reserva!

sexta-feira, 24 de janeiro de 2020